NETFUT
Notícias de futebol

Flamengo não facilita a venda de Michael e negociações travam

No Rio de Janeiro, mais especificamente no Ninho do Urubu, muito trabalho vem sendo realizado com o retorno do elenco aos treinos. Contudo, enquanto Paulo Sousa treina os jogadores que estão liberados para suas atividades e livres da Covid, a diretoria do Flamengo segue seu pleito no mercado da bola por garantir que suas condições nas negociações por Michael sejam cumpridas, do contrário, não haverá venda do jogador ao Al Hilal, time da Arábia que a cerca de quase duas semanas fez sua oferta pelo mais novo talento descoberto na última temporada do Mengão.

O que se sabe pelo entorno do clube é de que Michael gostou da proposta considerando a mesma como irrecusável, apesar de não achar um problema continuar jogando no Brasil, mas quem estaria dificultando o andamento da negociação seria o Flamengo.

A Oferta

A oferta inicial dos árabes estava representada no montante de 8.250 milhões de dólares, cerca de 45 milhões de reais aproximadamente, à vista por 100% dos direitos econômicos de Michael. Este valor já subiu para 8.450 milhões de dólares, ou seja, cerca de 46.1 milhões de reais, mas isso até onde se sabe teria influência daqueles 5% que os clubes que revelam os jovens talentos tem direito de receberem quando estes mesmo jogadores são vendidos. Acontece que o Goiás teria comprado do Goianesia estes 5%, mas teria deixado uma dívida com o clube a partir daí surge o imbróglio em cima das tratativas.

Bruno Spindel, homem responsável por essas negociações inclusive teria entrado em contato com o Goiás para sugerir mais flexibilização do clube, mas não obteve sucesso e por isso repassou os valores ao Al Hilal, o que acabou resultando na lentidão dos acordos.

Até onde e quando vai durar este enredo não sabemos, o que temos certeza é de que a pré-temporada já esta começando e algumas coisas precisam serem ajustadas ainda, como por exemplo, a volta dos jogadores que não estão podendo treinar por conta do isolamento deviso aos casos de covid.