NETFUT
Notícias de futebol

O Atlético vence um Fortaleza guerreiro e segue para a final da Copa do Brasil.

Na noite desta quarta-feira, o Fortaleza recebeu o Atlético Mineiro em um jogo considerado uma missão impossível: reverter um placar de 4 a 0 contra o time que menos perdeu no ano, aqui no Brasil. E de fato, o Fortaleza não conseguiu realizar seu plano, e ainda perdeu a partida, no entanto, o Leão do Pici lutou bravamente até o fim, e merece ter isso evidenciado.

Então vamos analisar o jogo e falar sobre os principais pontos dessa partida.

Primeiro tempo guerreiro do Fortaleza

O Fortaleza tinha uma missão impossível em mãos e tinha que correr atrás do gol logo cedo para poder ter alguma chance. E o time se lançou ao ataque, mas dessa vez tomando cuidado com os gols mineiros. Durante praticamente todo primeiro tempo o Atlético Mineiro não conseguiu criar e finalizou pouquíssimas vezes no gol.

Apesar do volume de jogo maior, o próprio Fortaleza não conseguiu criar tantas chances claras, mas lutou bravamente por cada uma que teve, e no fim era mais isso que a torcida esperava mesmo.

Uma boa noite de Boeck

Em uma noite onde um time precisa atacar, é alguém da defesa que se destaca. Apesar dos dois gols sofridos, o goleiro Boeck foi muito bem, e segurou as pontas bem no gol, parando muitas vezes a locomotiva mineira com seus melhores jogadores.

Se tem algo de bom que o Leão do Pici pode tirar desse desastre de semifinal é a resiliência de alguns jogos, e quem viu essa partida pode afirmar que o goleiro está nessa lista, e ainda vai poder ajudar muito seu time no futuro.

Um atacante inevitável

Sabemos que essa frase vem de Thanos, mas é Hulk quem vem merecendo ela. Isso porque o jogador é de longe o maior artilheiro do Galo na temporada, parece que o jogador está predestinado a balançar as redes sempre que o Galo entra em campo, sendo importante e decisivo para o time.

Existiam algumas dúvidas sobre o atacante quando Diego Costa chegou, sobre quem seria o titular, sobre como fazer o esquema funcionar com um ou com outro, mas aos poucos as pessoas vão vendo que eles, inclusive, podem jogar juntos dependendo do contexto da partida, e nessa partida em especial, tivemos 1 gol de cada para fechar o caixão.

A perda gradual da esperança

Para um time que precisava de tantos gols, era importante que o placar fosse inaugurado cedo. No entanto, o tempo foi passando e nada de um gol sair, e ao fim do primeiro tempo com o time não tendo feito nenhum gol, as esperanças já começavam a diminuir, tanto pelos jogadores quanto pela torcida.

A esperança foi por água abaixo de vez quando o Galo conseguiu inaugurar o placar, com o Fortaleza tendo que fazer ao menos 5 gols apenas para levar para os pênaltis. E o único gol feito pela equipe foi bem no finalzinho, tendo mais cara de gol de honra que gol de reação.


Sem opção de comentar este post