NETFUT
Notícias de futebol

Rogério Ceni dá exemplo europeu para explicar alto número de cruzamentos

O São Paulo conseguiu uma bela vitória contra o Santos no clássico realizado na Vila Belmiro neste final de semana. A vitória fez Rogério escapar de mais críticas como as que sofreu na última partida do São Paulo, segundo torcedores, o treinador fez com que o time cruzasse de forma excessiva ao gol adversário.

Isso sem dúvida viraria uma piada que perseguirá pela fase ruim do São Paulo, talvez até tomando proporções prejudiciais ao treinador, no entanto, uma vitória no clássico e de forma superior como foi, apagou um pouco o assunto e fez com que alguns até olhassem para este tema com um pouco mais de olhar crítico.

Como jogam grandes times da Europa?

E durante a coletiva da partida, Rogério chegou a comentar o assunto dando como exemplo times do futebol internacional que também fazem um alto número de cruzamentos, mostrando que isso é uma situação normal dependendo da realidade que a partida tem.

– Estava assistindo… o Arsenal fez 43 cruzamentos para ganhar do Brentford. O Manchester City fez 37, 38 cruzamentos contra o Tottenham. O Liverpool perdia até o minuto 53 para o Norwich e tinha 33 cruzamentos. São equipes que jogam com linha baixa, então sobra trabalhar a bola e jogar pelos lados – analisou Rogério Ceni.

Rogério ainda comentou também que se aproveitou do fato de que o Santos tinha uma certa obrigação moral de atacar nessa partida, não ficando atrás e tentando propôr o jogo, o que acabou gerando espaços que o treinador pôde aproveitar durante a partida.

– O jogo é contra o Santos na casa do Santos, é um time gigantesco. Ele tem a obrigação de sair do jogo, não fica defendendo com 10 na linha da grande área. (…) Hoje foi um time que te ofereceu mais espaços, é um time que bate de frente com você.

As oportunidades vem e você tem de aproveitá-las ao máximo

Os buracos na defesa citada por Rogério apareceram principalmente depois que o Santos mexeu no meu meio de campo. A ideia do Peixe era ficar mais ofensivo ainda mandando Gabriel Pirani para o jogo, no entanto, o jogador escolhido para sair foi Camacho, que é o jogador que dá o maior poder de defesa para a parte do meio que deveria impedir as jogadas de serem construídas.

Sem ele, o Santos acabou ficando com um buraco no meio, já que os jogadores que passariam a fazer o papel de Camacho na marcação não foram devidamente instituídos, colocando assim um erro na conta do interino.

Bingo e pontos com a torcida!

Essa Inclusive acabou sendo uma das primeiras vezes que a torcida do São Paulo ficou realmente do lado de Rogério, já que o treinador se mostrou ligado na partida, sabendo exatamente quais os erros que o Santos estava cometendo para poder se aproveitar deles.

Dessa forma o treinador consegue ganhar pontos com a torcida e com a diretoria e se firmar mais no cargo, e consegue finalmente um pouco de confiança para o seu time, que estava precisando de uma partida sendo superior do começo ao fim, e com muitos gols.