NETFUT
Notícias de futebol

Inter de Limeira retranca e fica no 0 a 0 com o São Paulo

Na noite desta quinta-feira, o São Paulo recebeu a equipe da Inter de Limeira em jogo válido pelo campeonato brasileiro.

E quem viu esse jogo viu um jogo sem gols, com um time que embora tenha dominado o campo e ficado com a bola foi incapaz de levar perigo real ao adversário durante a maior parte da partida, fazendo todos se lembrar que apesar da defesa ser o que tem preocupado a diretoria do são Paulo, é a falta de criatividade no ataque que realmente tem custado pontos ao time.

Mas vamos aos principais destaques da partida.

Um primeiro tempo que deixou problemas claros

Existem momentos que acabam escancarando problemas dentro de times,  o primeiro tempo do jogo de ontem foi justamente isso. Desde que chegou ao São Paulo, Rogério já deixou claro que tem preferência de jogar para frente, jogo ofensivo. Porém apesar de estar tentando, a ofensividade do São Paulo é justamente o que não está funcionando.

Para se ter uma ideia, a Inter de Limeira não teve vergonha nenhuma e chegou no jogo sabendo que ia se enfrentar. O São Paulo ficou com a bola, a dominância de campo, teve volume de jogo, e mesmo assim mal finalizou no primeiro tempo.

A Inter marcou bem, porém com o volume de jogo que teve, o São Paulo poderia ter feito mais, e a torcida não gostou nenhum pouco de ver o ataque batendo cabeça durante 45 minutos seguidos.

Ataque aéreo

O tricolor decidiu então que era hora de chamar o reforço aéreo para conseguir furar o bloqueio da Inter de Limeira e assim que Reinaldo entrou no jogo, começou o ataque aéreo. Cruzamentos e mais cruzamentos, a pra se ter noção, foram 50 tentativas de bola na área por parte do tricolor.

Apesar do número exagerado de cruzamentos, a tática quase deu certo duas vezes, e as duas terminaram na trave. Uma com Reinaldo, que o próprio cruzamento foi parar no travessão, e o outro com Éder, que testou firme porém no poste.

Mas engana-se quem pensa que a torcida ficou menos irritada com as duas chances criadas, pelo contrário. Além da falta de criatividade, a existência de chuveirinho também deixou claro a falta de repertório do São Paulo na hora de tentar balançar as redes. Não é fácil furar retrancas tão fechadas como aqui, mas mesmo assim o torcedor esperava que o ataque formado por Calleri, Dinei e Marquinhos, como Eder e Rigoni entrando no meio de campo, pudessem fazer mais.

Como fica?

O São Paulo agora é vice-líder de seu grupo e com um jogo a menos, no caso o jogo adiado com o Palmeiras. Enquanto que o Água Santa é o lanterna de seu grupo.
Agora o São Paulo encara o Santos no domingo, em um duelo de treinadores desesperados, onde existem grandes chances de que o time que perder, perca também seu técnico, uma verdadeira batalha pela sobrevivência no cargo.